monograma 0391 Crianças com traqueostomiaAtualmente, há um grande número de crianças que passam por traqueostomia. Este é o tratamento indicado como uma alternativa para estabelecer a respiração de pacientes que apresentam obstrução à passagem de ar na laringe.

Essa obstrução em crianças, que é denominada de estenose, pode ter como causa a entubação traqueal em bebês em UTI neonatal.

Com o advento das fertilizações, observa-se um aumento no nascimento de prematuros. Associado ao fato de que as UTIs neonatais têm tecnologia para manter vivos bebês muito prematuros que no passado não sobreviveriam.

Esses bebês necessitam respirar por aparelhos que ventilam o pulmão, através de tubos que são locados na traqueia. Como a laringe desses bebês é muito pequena, ocorre um trauma na mucosa delicada da laringe e, consequentemente, forma cicatriz que fecha esse tubo parcialmente e dificulta a respiração dessas crianças. Daí a necessidade de se estabelecer a respiração por meio de uma traqueostomia.

Portanto, a traqueostomia é uma alternativa para proporcionar a respiração dessas crianças.

Esse tratamento da estenose de laringe pode ser realizado de duas formas: via endoscópica, pela boca, utilizando um balão dilatador com o intuito de abrir esse tubo, ou pela cirurgia aberta da laringe com reconstrução desse órgão com enxerto de cartilagem de costela.

Esses dois diferentes tipos de tratamento têm indicações em casos específicos que devem ser avaliados cuidadosamente pelo médico cirurgião.

Alguns cuidados devem ser tomados com as crianças com traqueostomia, como: aspiração de secreção no interior da cânula, a troca da cânula a cada dois ou três meses; a cinta de tecido que prende a cânula no pescoço deve estar bem presa, para evitar que a cânula escape da traqueia; e a visita ao médico regularmente para averiguar o aspecto da cânula, a pele ao redor e o aspecto da secreção do interior da mesma.

É importante que se saiba que essa alternativa pode ser temporária, até a abertura adequada do tubo laringe-traqueia que é realizada com tratamento específico.

* Saramira Bohadana é médica otorrinolaringologista, especialista em casos de crianças com problemas respiratórios, colaboradora do ambulatório infantil de laringologia e voz do Hospital das Clínicas de São Paulo e do Hospital Infantil Sabará.

(O Autor)

[ ] Voltar

2 Comentários para “Crianças com traqueostomia”

  • Amanda disse:

    Olá me chamo AMANDA tenho uma filhinha prematura de 23 semanas , atualmente ela tem 1 ano e 8 meses ; tem Broncodisplazia pulmonar , e é traqueostomizada pelo seguinte motivo…

    Passou muito tempo em suporte ventilatorio e teve o estreitamente na laringe dla se formou cicratizes ai a solução q encontramos foi traqueostomizar… Lido com ela em casa todos os dias e posso dizer que minha rotina mudou muito ; se antes devia ter 100% de cuidado com ela hoje tenho q ter o dobro pois sou eu quem faz o processo da aspiração e todo o resto . Mais acima de tudo agradeço muito a DEUS todos os dias pois ele tem me dado mita força pra superar todas as barreiras e tamos juntos . OBRIGADO POR TUDO E ATE MÁS .

  • Elisangela disse:

    Gostaria de saber qual tipo de traqueo mais indicada para criancas tenho uma filha de 7 anos que vai precisar colocar uma apos uma tentativa de cirugia para remover a estenose que ocorreu sem sucesso e me falaram que com a traqueo montgomery ela poderia ter uma vida mais proxima que ela tinha sendo que ela poderia ate nadar com essa traqueo . E verdade ou não tem nada a ver. Gostaria muito de que minha filha tivesse pelo menos uma vida parecida com que ela tinha antes dessa cirugia . gostava de nadar coloquei ela recentemente na natação e fiquei socia de um clube aquatico de tanto ela me pedir . Ela tambem e muito vaidosa , tenho muito medo da reação dela quando ver que esta de traqueo .Se voces puderem me ajudar ficarei eternamente grata!

Deixe seu comentário